/ EMPRESA

 

Missão: O SPC é uma referência em Portugal, no processo de suporte logístico, intermodalidade e transporte através da exploração de uma rede de terminais/plataformas logísticas e rodoferroviáras.

 

Visão: O conceito de plataforma multiusos desenvolvido pelo SPC permite-lhe disponibilizar num espaço único, um conjunto alargado de serviços que se complementam.

 

Valores: Honestidade, Profissionalismo, Respeito, Humildade, Companheirismo e Responsabilidade.

 

História

 

1971 - O SPC – Serviço Português de Contentores, S.A. foi constituído a 9 de Julho, com um capital social de 50.000 Euros.

1972 - Iniciou a actividade na contentorização, ano em que inaugurou o Terminal de Contentores da Matinha, primeira infra-estrutura privada do tipo, em Portugal, com o objectivo de apoiar o tráfego de contentores que se desenvolvia no porto de Lisboa.

1983 - Em regime de subcontratação pela ANA – Aeroportos e Navegação Aérea, o SPC passou a assegurar a gestão operacional dos terminais de carga aérea dos três principais aeroportos nacionais, actividade essa que exerceu até ao ano de 2000, altura em que por força da legislação comunitária, a actividade foi liberalizada. Foi durante a década de 80 que o SPC estendeu a sua actividade ao Norte e Sul do País, tendo-se implantado, em Sines com a OPERSUL e a participação no Consórcio para exploração do Terminal de Carvão, em Setúbal com a SULTIR, na Figueira da Foz com a CENTRÁFEGO, em Leixões com a TEN e em Aveiro com a TIRTIFE.

1992 - A SAPEC adquiriu 52,5% do capital social do SPC.

1995 – A SAPEC assumiu a totalidade do capital social do SPC. A integração no Grupo SAPEC representou um passo importante. Esta nova etapa permitiu à empresa ganhar dimensão, projecção ibérica e internacional. O SPC tornou-se, assim, o ramo logístico do Grupo SAPEC, desenvolvendo as suas estratégias na actividade portuária, logística de distribuição, armazenagem e carga aérea.

2000 - Em parceria com outros operadores portuários, ganhou as concessões do Terminal de Contentores de Stª Apólonia, do Terminal Multiusos do Beato e do Terminal de Contentores de Leixões, actividade esta que decidiu abandonar no final de 2001, por dificuldades na implementação das estratégias próprias devido a participações minoritárias detidas nas sociedades. Passou, então, o SPC, directamente ou através das empresas afiliadas, a centrar a sua actividade na exploração dos Terminais Multiusos Terrestres, que englobam os negócios de Depot, Grupagem e Ferrovia. Para além disso, o SPC gere ainda as participações do Grupo Sapec na área do Cargo-handling, nomeadamente, o Terminal de Granéis de Setúbal e a Navipor.

2005 - Direcciona a sua estratégia para a gestão de Plataformas Logísticas Industriais.

 

Assume-se assim neste momento como um dos principais actores nacionais na gestão de terminais concessionados ou privados, disponibilizando serviços logísticos a terceiros, com operações em Portugal e Espanha. Opera Plataformas Multiusos e Intermodais nas áreas de Setúbal, Lisboa e Porto, disponibilizando um variado conjunto de serviços logísticos, de distribuição rodoviária e ferroviária.